Dicas Canadá

Imigrando com animais

Cachorro, gato, passarinho, tartaruga – eles também fazem parte do seu #PlanoCanadá! Confira aqui depoimento de quem trouxe o melhor amigo do Brasil e algumas dicas e procedimentos necessários para trazer o seu animal de estimação para viver junto com você a experiência no Canadá.


Passo a Passo: Regras e procedimentos necessários.


Seja qual for o seu pet, há um caminho para trazê-lo para o Canadá. Contudo, os procedimentos e regulamentações dependem de fatores como espécie, raça, tamanho, idade, entre outros. Aqui apresentaremos as regras gerais para o embarque de animais de estimação, mas você pode checar regras específicas para cada espécie no site oficial do governo canadense.

O primeiro passo é ter certeza que você tem em mãos a documentação necessária para a viagem de seu animal de estimação, e que todos os documentos tenham sido emitidos por um médico veterinário registrado no Conselho Regional de Medicina Veterinária. Além disso, para que um bichinho de estimação possa fazer uma viagem internacional, a apresentação do Certificado Zoosanitário Internacional (CZI) é obrigatória – para obtê-lo, você deve agendar um horário com um médico veterinário do Ministério da Agricultura em um dos consultórios localizados nos aeroportos internacionais. 

Você também precisará apresentar a confirmação da vacina antirrábica. Esse documento, além de ter sido emitido por um profissional veterinário devidamente registrado, deve estar em inglês ou francês, e com informações que identificam o animal em questão, como raça, idade, cor, sexo e peso.

Atenção: A vacina deve ter sido aplicada com mais de 30 dias do embarque e sua validade é de um ano.


Meu pet vai junto comigo?

Pet no aviao

Outra decisão muito importante a ser tomada é a data de embarque do seu pet. Ele irá no mesmo vôo que você, ou prefere que ele venha algum tempo depois?

Se escolher a primeira opção, há algumas coisas que você deve manter em mente: Existe um limite máximo de carga viva permitida por vôo (varia, mas normalmente, são 2 por vôo), por isso, para trazer o seu animal de estimação para o Canadá, você precisa fazer a reserva com antecedência na companhia aérea. Cada uma delas possui suas próprias regras específicas para o embarque de animais, mas no geral, essas normas são parecidas:

Para viajar na cabine, o pet deve ficar dentro da caixa de transporte o tempo todo, que ficará embaixo da cadeira do passageiro da frente. Para que seu pet possa embarcar junto com você na cabine, o peso do animal somado com o peso da caixa de transporte não podem ultrapassar 10 kg. 

Caso ultrapasse esse peso, o animal será levado no transporte de carga. Mas não se preocupe! Seu amigo estará bem confortável – os compartimentos de carga modernos são pressurizados e possuem controle de temperatura.

Se decidir trazer o seu animalzinho em uma data diferente, recomendamos a contratação de uma agência de viagens especializada em animais de estimação, assim, seu pet não estará sozinho e será bem cuidado o tempo todo.


Como é feito o transporte?


A caixa de transporte deve ser fornecida pelo dono do animal, e também deve seguir algumas diretrizes: Seu tamanho deve permitir que o pet fique em pé e consiga dar uma volta completa ao redor de si mesmo. O material deve ser rígido, com um fecho de qualidade, o suficiente para proteger o animal em caso de impactos, assim como impedir a fuga deste. Além disso, o piso da caixa deve absorver ou no mínimo reter as fezes e urina, de modo que não vazem. Porém, a recomendação é que o animal não faça a ingestão de comida ou bebidas antes e durante o vôo para evitar acidentes gastrointestinais.

Atenção: A grande maioria das companhias aéreas não autorizam o transporte de cachorros de focinho curto (braquicefálicos), como pug, maltes, e pitbull. Essas raças, por conta dos problemas respiratórios, sofrem com mudanças de temperatura e podem passar mal durante a viagem.


O uso de calmantes


Muitos acreditam que devem dar algum tipo de calmante para o animal para que ele tenha um vôo tranquilo. Nada disso – essa prática inclusive pode ser prejudicial ao animal, visto que a variação de pressão da cabine durante o vôo faz com que o efeito do remédio se potencialize – o que pode causar consequências graves ao pet. Por isso, se durante o check-in o oficial desconfiar que o animal está sob o efeito de drogas, não será permitido o embarque.


Custo


Para a companhia aérea, o custo adicional para o transporte do animal é normalmente calculado de acordo com o peso do animal e da caixa de transporte e comparado ao preço cheio da passagem. 

O governo canadense também exige uma inspeção do animal – para a checagem dos documentos e vacinas. As taxas atuais estão em torno de CAD $30 para o primeiro animal e CAD $5 para cada animal adicional.


A viagem de Argos


Podemos fornecer todas as informações oficiais, mas nada como ouvir de quem passou por isso na pele, não é verdade? Nossa cliente Tais L. é a mãe de um Yorkie fofíssimo chamado Argos. Quando ela decidiu tirar o #PlanoCanadá do papel, deixar o Argos de fora não era uma opção.

Para ter certeza do caminho a seguir e juntar todas as informações necessárias, Tais contou com as mídias sociais “Pesquisei bastante em diferente grupos no Facebook – inclusive, existem grupos específicos de brasileiros donos de pet no Canadá! – e consegui juntar bastante informações sobre quais companhias aéreas aceitam doguinhos na cabine e os pré requisitos”. Lógico, a internet e as mídias sociais não levam em conta a particularidade de cada animal de estimação, por isso, Tais também recorreu à veterinária do Argos, que para facilitar, já tinha experiência e estava acostumada com o processo de levar pets para o exterior.

Pode parecer complicado demais, mas Tais garante que é um processo bastante tranquilo. Mesmo a microchipagem, uma prática bastante comum na América do Norte, em que um chip subcutâneo é inserido no animal como forma de identificação, caso ele se perca ou fuja, não é obrigatória para viajar com o seu pet. Além disso, a maioria dos pets são isentos do período de quarentena. 

Os únicos preparativos que você deve ter antes de embarcar com o seu animal de estimação são: documento provando que as vacinas estão em dia, com um laudo datado do veterinário, e esse laudo deve ser levado no Ministério da Agricultura do aeroporto de 2 a 10 dias anteriores à data de viagem, para que o CZI seja emitido. Mas Tais dá uma dica preciosa: Eles trabalham com agendamentos, então não deixe para última hora!

O planejamento com antecedência também é essencial para garantir a passagem do seu melhor amigo. Não são todas as companhias que aceitam levar animais, e as que aceitam, possuem vagas limitadas por vôo – por isso, é bom comprar as passagens o quanto antes!



Planejamento feito, passagens e documentos em mãos, e chegou o grande dia! Dia 31 de janeiro de 2018, Argos estava pronto começar sua nova vida em Vancouver. Como o peso dele mais o peso da caixa de transporte não ultrapassava 10 kgs, ele veio na cabine, juntinho de Tais. Mas antes de embarcar, ela fez de tudo para seu filho ficar o mais confortável possível: eles passearam e correram juntos para que Argos ficasse bem cansadinho e (esperançosamente) dormisse durante a viagem. Tais também comentou que Argos ficou em jejum por algumas horas antes do vôo para evitar que ele fizesse suas necessidades no avião – e além disso, avisa que em hipótese alguma leve comida para seu animal “é proibido entrar com ração no país”.

Durante a viagem, Taís admite que Argos não ficou comportado por completo. “Ele teve que ficar dentro da caixa e no chão o tempo todo, e tinha horas que ele se agitava um pouco, acho que queria atenção. Eu conseguia distraí-lo, mas confesso que quando o avião pousou foi um alívio para nós dois”.

E a nova vida em Vancouver? Tanto Argos quando Taís adoram! “Ele já chegou adaptado! Não estranhou nada, muito pelo contrário. No Brasil ele não gostava de passear, eu ia levar e ele sentava. Aqui, caminha muito, no verão chega a andar 10km comigo! Ele mudou para melhor!”



Ela também dá algumas dicas das despesas de ter um animal de estimação no Canadá. Existe uma licença obrigatória que você deve pagar anualmente à prefeitura, que custa em torno de 45 dólares canadense.

Outra diferença em relação ao Brasil são os cuidados básicos: Aqui, produtos como vermífugo e anti pulgas não são facilmente comprados em pet shops – só um veterinário pode providenciá-los.

Além disso, um check-up anual custa em torno de 300 dólares canadenses. Você também a opção de adquirir um plano de saúde para o seu pet, mas isso fica à seu critério.



Se inspirou na história de Argos e está pronto para fazer essa jornada juntamente com seu animal de estimação? Então contate a e-Visa e garantimos a melhor estratégia de imigração para você e seu pet!